Notícias

Estudo de Conservação subsidia Plano de Manutenção Permanente

segurança viária Pavimento

Estudo de Conservação subsidia Plano de Manutenção Permanente

O período de chuvas em Pernambuco este ano ainda não terminou, mas quem trabalha na manutenção do complexo viário concessionado em Suape já está de olho no inverno do próximo ano. A Concessionária Rota do Atlântico iniciou este mês um estudo detalhado de conservação de pavimento na via expressa de acesso ao Litoral Sul do Estado.  

Equipes técnicas estão em campo realizando avaliações das condições da superfície, aderência e estrutura e estudo com equipamentos que simulam o impacto de uma roda em movimento, com aplicação dinâmica de cargas. A execução dos serviços foi planejada de modo a não haver áreas de bloqueio de tráfego, no entanto os motoristas devem ficar atentos porque as intervenções são realizadas com equipamentos acoplados a veículos que circulam numa velocidade máxima de 60 km/h, abaixo do limite da via. Para alertar, veículos sinalizadores fazem a escolta da movimentação da máquina.  

Para analisar o desempenho do pavimento frente ao fluxo da via, serão realizados também contagem de tráfego e identificação do perfil dos veículos por eixo e peso.  No período de 7 a 14 de novembro, equipamentos móveis de passagem serão instalados em cada sentido da autopista, em diferentes pontos do trecho concessionado. O direcionamento do fluxo, por amostragem, contará com apoio do Batalhão de Policiamento Rodoviário (BPRv), sem caráter fiscalizador. 

A gerente de Engenharia e Operações da Rota do Atlântico, Patrícia Alves, explica que o resultado do estudo subsidiará o Plano de Manutenção Permanente da Rodovia. “O que realizamos é como uma radiografia para identificar uma anomalia, como umidade do solo,  mesmo antes de apresentar sintomas, como um buraco. É um exame preventivo para termos uma atuação mais assertiva no trabalho de conservação viária”, exemplifica a gestora.  

 

Serviços de Rotina - A manutenção do Complexo Viário de Suape inclui serviços de rotina como limpeza de pista e varrição do acostamento, roçada, adequação de sinalização horizontal e vertical. Viaturas de inspeção da Rota do Atlântico circulam 24h por dia por todos os 44 quilômetros de vias concessionadas, com equipes que fazem remoção de objetos da via e  registra indícios de danos ao pavimento, além de prestar auxilio a motoristas. A frota inclui ainda guichos para veículos leves e pesados, ambulância, caminhão-pipa para combate a focos de incêndios e veículo para remoção de animais. Todo o trecho é monitorado por 49 câmeras de alta definição, com imagens acompanhadas por um Centro de Controle Operacional (CCO).    

 

Os investimentos garantem às rodovias que compõem a Rota do Atlântico a classificação como as mais bem avaliadas no Norte e Nordeste na última pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes (CNT). As vias foram as únicas que receberam conceitos ótimo e bom em todos os quesitos avaliados pelo levantamento: estado geral, pavimentação, sinalização e geometria da via. “Pesquisa da CNT é um importante reconhecimento, mas o principal mensurador do nosso desempenho é o indicador de segurança viária, com a redução do número de acidentes”, destaca o presidente da Rota do Atlântico, Elias Lages. 

 

No balanço operacional do último semestre foi registrado uma redução de 74% no número de acidentes em relação ao mesmo período de 2014, primeiro ano de operação da via expressa. A quantidade de acidentes declinou de 115 para 30. No comparativo desses dois semestres, a diminuição do número de vítimas foi mais acentuada, com 83% menos pessoas feriadas, passando de 42, em 2014, para 7, neste semestre, sem registro de vítima fatal. 

 
voltar